Você sabe quais são os valores descontados do seu salário e como esse cálculo é feito? Descubra aqui!

A folha de pagamento, também conhecida como holerite, é um documento obrigatório utilizado pelas empresas para formalizar o acerto do salário dos empregados. Nele constam informações sobre o salário bruto, os descontos e o salário líquido.

É fundamental que o trabalhador conheça seus direitos e deveres, inclusive no que diz respeito aos descontos realizados em sua folha de pagamento. Para chegar a informações concretas é possível usar, por exemplo, uma calculadora de salário líquido.

Como calcular os descontos?

O cálculo da folha de pagamento costuma ser feito pelos profissionais de recursos humanos e/ou contadores, que têm o conhecimento necessário em legislação trabalhista e matemática contábil.

A orientação é que as empresas sempre tenham o suporte de profissionais especializados para realizar esse tipo de processo, evitando assim erros que possam causar prejuízos tanto para a empresa quanto para os empregados.

Muito embora, na prática, esse cálculo seja feito por especialistas, é interessante que o trabalhador conheça as principais regras envolvendo os descontos. Isso permite a ele fazer a conferência do seu holerite e identificar eventuais equívocos nos valores.

A folha de pagamento é importante tanto para a empresa, que por meio dela mantém em dia parte de suas obrigações legais, quanto para o trabalhador, que pode utilizar o documento em solicitações de financiamentos e no requerimento de aposentadoria.

Registro de ponto

O registro de ponto é o documento que registra e formaliza as datas e horários em que o trabalhador inicia a sua jornada, faz pausas para almoço, encerra o expediente e cumpre com horas extras.

A maneira como esse registro é feito varia muito de uma empresa para outra; entretanto, em todas as situações, o documento é fundamental para a realização do cálculo correto do salário.

Todas empresas com mais de 10 funcionários são obrigadas a realizar o registro de ponto dos seus funcionários.

Salário bruto

É chamado de salário bruto o valor total pago pela empresa ao colaborador; trata-se da remuneração propriamente dita. É este valor que serve como base para o cálculo de salário líquido (valor efetivamente recebido depois de realizados os descontos legais). Neste artigo, utilizaremos como exemplo para a base de cálculo um salário bruto de R$ 3.000,00.

INSS

Para calcular o desconto do INSS é fundamental ter em mãos o valor do salário bruto. A alíquota varia de acordo com a remuneração, seguindo as faixas de contribuição abaixo destacadas:

SalárioAlíquota de desconto
Até R$ 1.100,007,5%
De R$ 1.100,01 a R$ 2.203,489%
De R$ 2.203,49 até R$ 3.305,2212%
De R$ 3.305,23 até R$ 6.433,5714%

Desta maneira, no nosso exemplo, considerando um salário bruto de R$ 3.000,00, a fórmula do valor do INSS a descontar é: R$ 3.000,00 x 12% = R$ 360,00 de desconto relativo ao INSS.

FGTS

No caso do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o cálculo também é feito sobre o valor bruto, considerando alíquota única de 8%. Este valor não é descontado diretamente do pagamento, mas sim depositado pelo contratante na conta do FGTS em nome do trabalhador junto à Caixa Econômica Federal.

Em nosso exemplo, o valor a ser depositado mensalmente leva em consideração o seguinte cálculo: R$ 3.000,00 x 8% = R$ 240,00 a ser depositado na conta bancária do funcionário.

Imposto de Renda

Assim como nos descontos já mencionados, a base de cálculo para o Imposto de Renda Retido na Fonte é o salário bruto menos o desconto relativo à contribuição previdenciária.

Desta forma, considerando nosso valor de referência de R$ 3.000,00 para a remuneração bruta, sobre o qual a incidência de INSS é de R$ 360,00, a base de cálculo para o IRRF será de R$ 2.640,00.

O cálculo da base do IR deve ser feito por meio da subtração dos valores da previdência social em relação ao salário bruto. Se a pessoa tiver dependentes legais ou realizar o pagamento de pensão alimentícia, essas informações também precisam ser consideradas.

Horas extras

São consideradas horas extras todas aquelas trabalhadas além da jornada diária contratada pelo empregador.

Durante os dias úteis, à hora extra deve ser incluído um adicional de 50% a 90% (a porcentagem adicional depende da categoria). Em caso de trabalho aos domingos e feriados, o adicional será de 100% (o que significa que o trabalhador ganha em dobro).

Em nosso exemplo, considerando uma remuneração bruta de R$ 3.000,00 e uma carga horária de 220 horas mensais, o valor hora é de R$ 13,64.

Imagine que esse trabalhador realizou horas extras durante dias úteis com a incidência do direito ao adicional de 50%. Neste caso, o valor total de cada hora extra será de R$ 20,46 (R$ 13,64 x 50% = 6,82 — valor adicional).

  • Valor hora normal: R$ 13,64
  • Valor adicionado em caso de hora extra: R$ 6,82 (50%)
  • Valor total da hora extra com adicional dos 50% (R$ 20,46)

Se o trabalhador fizer, por exemplo, 10 horas extras em um mês, o cálculo aplicado será: R$ 20,46 x10 = R$ 204,60. Assim, o total de horas extras a ser computado será de R$ 204,60.

Vale-transporte e Vale-alimentação

No caso do vale-transporte, a empresa poderá descontar um reembolso de até 6% do valor do salário. Por exemplo, se o valor de vale-transporte entregue for de R$ 150,00, o cálculo será o seguinte:

6% do salário bruto de R$ 3.000,00 = R$ 180,00. Portanto, o valor a descontar é de R$ 180,00.

Se o valor gasto corresponder a mais de 6%, a empresa não pode fazer o desconto do valor adicional, já que é necessário respeitar o limite dos 6%.

No caso do vale-alimentação, a lógica é semelhante. Aqui, a empresa só pode descontar do trabalhador o limite de até 20% do salário bruto.

Em caso de dúvidas sobre os descontos do salário, o trabalhador deve buscar informações junto ao setor de recursos humanos ou procurar o suporte de um advogado trabalhista.

Como fazer o cálculo dos descontos do salário_