No mundo das startups, é comum que essas empresas disruptivas participem de diversas rodadas de investimentos ao longo do tempo.

O mundo das empresas disruptivas é cada vez mais conhecido pelas pessoas, uma vez que estas companhias estão trazendo diversas inovações para o mercado. Muitos acham que startups nascem e crescem sem nenhum método e que toda a organização desse tipo de empresa vem apenas depois de ela se estabelecer no mercado.

No entanto, não é assim que funciona: uma startup passa por diversas fases e, em cada uma delas, precisa cumprir certos requisitos para validar sua ideia e continuar a crescer. Como essa organização dos estágios das startups ainda é muito desconhecida, elaboramos este artigo para apresentar esses conceitos de forma clara.

Concept stage: o surgimento da startup

É verdade que, antes da execução, é preciso ter uma ideia. Por isso, antes de qualquer investimento e execução, há o concept stage, que consiste na elaboração da ideia por trás da companhia: monetização, ganho de escala, margem, etc.

Como o foco do artigo não é nessa fase, vale a pena fazer apenas um último comentário sobre o tema: o concept stage é fundamental, pois uma boa elaboração do projeto elimina muitos problemas nas fases seguintes do projeto.

Seed stage: a primeira captação de investimentos

No seed stage é que a execução começará. É aqui que a ideia toma forma e, através dos esforços da equipe, já apresenta os primeiros modelos de produtos ou serviços, ainda que de forma crua. No entanto, nada disso pode ser feito sem os recursos adequados. Por isso, é preciso captar recursos já nessa primeira fase.

Como a ideia está muito embrionária e nenhum resultado claro foi alcançado, essa primeira rodada de captação é feita, geralmente, com pessoas próximas: amigos, familiares ou conhecidos dispostos a investir no projeto.

Entretanto, é possível também buscar o investimento dos chamados investidores-anjo, aquelas pessoas dispostas a investir parte de seu capital em ideias ainda nos primeiros estágios de maturação.

Muitos investidores-anjo ganham dinheiro com essa atividade. Entre os mais famosos, podemos citar Eduardo Saverin, cofundador do Facebook, que já se tornou a pessoa mais rica do Brasil. Com esse capital em mãos, a startup terá seu primeiro caixa para desenvolver a nova tecnologia e coletar os primeiros resultados.

Early stage: amadurecimento da ideia

Após passar pelo seed stage, os empreendedores já possuem um capital inicial para começar a desenvolver suas operações e apresentar resultados primários. De fato: para alguns, é difícil diferenciar o early stage do seed stage, pois essas duas fases ainda são muito embrionárias.

Para facilitar essa diferenciação, basta pensar que, no early stage, já há evidências do progresso no desenvolvimento da companhia, ainda que os resultados estejam incompletos. De forma geral, o produto ou serviço ainda está sendo aperfeiçoado e pode ter sido introduzido no mercado ou não.

Inclusive, é possível que a solução oferecida pela empresa tenha sido exposta apenas a um público limitado, como forma de testar a demanda pelo que a companhia propõe. Tipicamente, nessa fase é a hora em que os fundadores da startup buscam uma maior captação de recursos, procurando outros investidores-anjo, aceleradoras de startups e fundos de venture capital.

Empresas nessa fase costumam ter pouco tempo de existência (geralmente, estão em seus primeiros anos de desenvolvimento). É através dessa rodada de captação que a startup poderá alocar recursos para desenvolver tecnologias, contratar profissionais e colocar suas soluções no mercado.

O que acontece depois desses estágios?

De forma geral, startups passam por diversos outros estágios de captação, mas não há regras específicas: cada caso é um caso. Muitas empresas continuam captando recursos e crescendo, como é o caso da Nubank que, mesmo valendo bilhões de dólares, permanece como uma empresa de capital fechado.

Outra possibilidade é a de que a empresa abra seu capital na bolsa de valores, recebendo aportes de diversos fundos de investimentos, bancos e até mesmo investidores pessoas físicas. É o caso da fintech Méliuz, por exemplo.

Por fim, é possível que a empresa seja comprada por uma companhia maior, passando a fazer parte de sua organização. É o caso da DinDin, startup financeira adquirida pelo Bradesco. Dessa forma, fica claro que cada startup tem seu caminho único, mas todas passam pelos estágios iniciais de captação de investimentos.

Saiba a definição dos estágios Seed e Early Stage de startups