Além do fogão convencional, modelos inovadores podem ser excelentes alternativas na hora de trocar o eletrodoméstico.

Quem tem casa sabe o quão importante é ter móveis e eletrodomésticos em bom estado, afinal de contas, cada um tem sua própria funcionalidade dentro de um lar. Seja por querer inovar ou por necessidade de troca do objeto, muitas vezes ficamos em dúvida sobre qual modelo comprar.

Um dos eletrodomésticos mais usados é, sem sombra de dúvidas, o fogão. Com ele você pode aquecer a água do café, assar uma carne, cozinhar uma sopa ou até mesmo fazer um brigadeiro — o que não exige grandes habilidades de cozinheiro.

No entanto, com as novas tecnologias, cada vez mais o mercado vem oferecendo novidades e não seria diferente com os modelos de fogão. Hoje você vai conhecer as diferenças entre cada tipo e as vantagens de cada um, facilitando, assim, a sua próxima compra.

Qual o melhor fogão?

Na hora de adquirir qualquer tipo de produto, é preciso analisar todos os modelos disponíveis, valores, características e, principalmente, o custo-benefício. Ter isso em mente nos livra daquela ideia pré-concebida de que devemos comprar sempre o melhor aparelho ou móvel — que, geralmente, é também o mais caro.

Isso também se aplica aos fogões, seja em relação ao design, revestimento, formato, etc. O modelo ideal de fogão é aquele que consegue atender às suas necessidades e que você possa pagar. O passo seguinte é, de fato, conhecer os tipos de fogão e analisar qual é o modelo que melhor se encaixa para você.

Fogão convencional

É o modelo clássico de fogão, que tem de 4 a 6 bocas na parte superior e um forno na parte inferior. Seu funcionamento é baseado no uso do gás de cozinha, podendo ser acionado com fogo (fósforo ou isqueiro) ou de modo elétrico (ligado na energia).

A variedade de marcas e preços é imensa, mas o que varia, basicamente, é o design, alguns itens de segurança e acessórios, como o timer. Já em relação às panelas, não há restrições de uso.

Fogão elétrico

Outra modalidade de fogão é o elétrico, que não exige o uso do gás de cozinha para seu funcionamento. Geralmente, esse tipo de aparelho é mais comum na versão cooktop — uma espécie de fogão de bancada que não tem forno na parte de baixo.

O fogão elétrico é uma opção bem funcional para quem não usa o forno ou mesmo precisa levar o aparelho durante viagens (isso se a peça não for fixa). No caso das panelas, a exigência é que elas sejam de aço inox. As de cerâmica ou vidro não são aconselhadas.

Fogão por indução

Uma das últimas tendências no quesito tecnológico é o modelo por indução. Trata-se de um mecanismo que também é acionado pela energia elétrica, mas que é aquecido graças a uma corrente eletromagnética. É ela que fornece o calor necessário para cozinhar o que você deseja.

A maior vantagem desse tipo de fogão, que tem o mesmo design do fogão elétrico cooktop, é a redução de riscos com queimaduras, já que ele só aquece quando entra em contato com elementos de ferro ou aço. Por isso mesmo, as panelas precisam ser desses materiais, seja com multicamadas ou ferro fundido.

Fogão vitrocerâmico

Outro modelo que une a configuração do cooktop ao fogão elétrico ou por indução é o vitrocerâmico. A diferença aqui é em relação ao material que reveste o fogão — e por isso ele pode ter essas diferentes características concomitantemente.

É um modelo super moderno e que traz bastante segurança ao lar, além de uma boa potência. A recomendação quanto às panelas deve ser de acordo com o tipo de aquecimento — por indução ou elétrico —, mas, de forma geral, é preferível usar panelas de aço.

Tipos de fogão: diferenças e quais panelas usar